Apesentados durante a Mobile World Congress (MWC), em Barcelona, na Espanha, no mês passado, os aparelhos da quinta geração da família Moto G seguem a linha do bom e não tão barato assim, iniciada com a linha anterior de celulares, a Moto G4 – até então, essa era a série de modelos baratinhos, mas competentes, que se tornaram os mais vendidos na história da Motorola em todo o mundo e foi o primeiro smartphone de muita gente no Brasil. O Moto G5 sai por R$ 1 mil e o G5 Plus custa R$ 1,5 mil.


A Lenovo optou dessa vez por não lançar um versão voltada a gamers, especialidade do G4 Play. Outra novidade foi a redução dos tamanhos dos aparelhos e a manutenção ou diminuição da capacidade de resolução das câmeras.

Segunda no mercado brasileiro, a Lenovo não entrega quem são os concorrentes a serem batidos com os novos smartphones. O esforço, afirmam seus concorrentes, continua levar recursos de smartphones potentes e consequentemente mais carinhos a celulares com preços intermediários.

“Ter coisas que você encontra em um segmento premium por um preço mais acessível”, diz Sérgio Buniac, vice-presidente presidente de mobilidade da Lenovo e Motorola para a América Latina.

Veja o que muda nos Moto G5 e Moto G5 Plus:

  • Processador

O cérebro por trás dos smartphones continua sendo um chip Snapdragon, da Qualcomm, de oito núcleos, mas de um modelo diferente. Se os celulares lançados em 2016 tinham processador Snapdragon 617, agora o Moto G5 vem equipado com processador Snapdragon 430, de 1.4 GHz, e o Moto G5 Plus tem chip Snapdragon 625, de 2.0 GHz — esse já era o processador do Moto Z Play, apresentado no ano passado.

O sistema operacional é o Android 7, sem alterações, o que faz o celular não engasgar tanto e rodar sem tento entrave.

  • Tela

Da quarta para a quinta geração, os smartphones da linha Moto G diminuíram. Os antecessores G4 e G4 Plus tinham tela de 5,5 polegadas. Agora, o G5 tem tela de 5 polegadas e o G5 Plus tem display de 5,2 polegadas. Ambos exibem imagens em Full HD.

  • Câmera

Ambos possuem câmera frontal, aquela para tirar foto ou retocar a maquiagem, de 5MP. No G5, a Lenovo manteve a resolução máxima da câmera traseira em 13 MP.

Já a câmera traseira do G5 Plus, que pode registrar imagens de 12 MP, perdeu capacidade em relação ao G4 Plus, capaz de tirar fotografias com 16 MP. Recursos como abertura mais rápida, foco automatizado a laser e leitor de impressão digital foram preservados na nova versão, que agora passa a poder gravar vídeos em 4K e a captar mais luz graças a um novo conjunto de lentes.

  • Bateria

A bateria foi outro componente que mudou de uma geração para outra. Tanto Moto G4 e Moto G4 Plus tinham bateria de 3 mil mAh, com sistema de carregamento rápido.

No G5, a bateria ficou menos potente e passou a ser de 2,8 mil mAh. Já a do G5 Plus permaneceu em 3 mil mAH. Os dois aparelhos vêm equipados com o carregador rápido, que dá autonomia de algumas horas com poucos minutos de recarga: o G5 tem suporte a carregador de 10W e o G5 Plus, de 15W.

  • Design

Com corpo de alumínio, Os aparelhos chegam em duas cores disponíveis: dourado e prateado.

  • Dois chips

Uma ferramenta mantida da quarta para a quinta geração da família Moto G é a nova tecnologia para dois chips, que faz a linha secundária de celular, aquela que fica em segundo plano, ser capaz de acessar ao 3G. A linha principal continua sempre ligada à rede mais potente — o 4G, quando possível. Isso funciona tanto para voz quanto para dados e SMS.

Esse recurso faz com que, em uma ligação, o chip indique a empresa usada pelo destinatário para que ele possa selecionar com qual linha quer fazer a chamada. Assim, alguém com chips da Vivo e da Claro instalados no celular e faça uma ligação para um cliente da Vivo receba a sugestão de alternar para o primeiro chip.

  • Sensor de impressões digitais

Os novos smartphones continuam a ter sensor de impressão digital, que agora não só desbloqueia a tela inicial, mas passa a executar novas funções conforme o usuário mexe o dedo sobre ele.

O sensor de digitais executa todas as funções dos tradicionais botões de celulares Android. Ao deslizar o dedo para direita, o aparelho lista o multitarefas, que exibe as aplicações abertas. Para a esquerda, volta para o serviço aberto anteriormente. Ao apertar o sensor, retorna-se ao menu inicia. Quando o sensor é pressionado, o Google Now é acionado.

  • TV Digital

A Lenovo tirou o sincronizador de TV Digital do modelo de entrada, o G5, e o colocou apenas na versão premium, o G5 Plus. A qualidade de imagem é de alta resolução.

(Via: G1)